Atividade física e o câncer

Atualmente está muito bem estabelecida a importância do exercício físico na prevenção de doenças e redução da mortalidade.

De acordo com os guidelines internacionais, incluindo o American College of Sports Medicine e a Organização mundial de Saúde, deve-se praticar no mínimo 150 minutos de atividade física moderada a intensa por semana.

Apesar disso, o sedentarismo ainda afeta cerca de um terço da população mundial e no Brasil este número chega cerca de 47% da população, tornando-se o país mais sedentário da América Latina segundo a Lancet Global Health, 2018. Kerr, 2017, acredita que o sedentarismo associado à dieta, nutrição e obesidade aumente a incidência de câncer em todo o mundo.

O câncer é a segunda causa de mortalidade da população mundial (21%), ficando atrás apenas das doenças cardiovasculares. Segundo OPAS/OMS (Organização Panamericana de Saúde e Organização Mundial de Saúde), em relatório em setembro de 2018, os cânceres foram responsáveis por 9.6 milhões de mortes neste ano, sendo o mais frequente o câncer de pulmão seguido pelo de mama (ambos com 2,09 milhões de casos).

O câncer de maior mortalidade e mais frequente entre as mulheres é o câncer de mama, com 59.700 mil novos casos no ano de 2018. (INCA, 2018)

Estudos têm evidenciado cada vez mais o impacto positivo do exercício físico e o câncer, e mostram que a atividade física pode prevenir a população contra diversos tipos de cânceres. A prática está associada à melhoria da resposta ao tratamento quimioterápico/radioterápico, à qualidade de vida e está associado à menor recidiva de doença e, consequentemente, menores índices de mortalidade.

PREVENÇÃO PRIMÁRIA